Leptospirose ou doença da “urina de rato”

Cachorros podem adoecer com a Leptospirose após o contato direto com secreções e qualquer tipo de resíduo úmido contaminadas com fezes de ratos, por exemplo, como ocorre em locais de enchente. Através de qualquer tipo de lesão na pele, mesmo que ínfima  é porta de entrada para este tipo de bactéria, que ao multiplicar-se no organismo causa sintomas graves e pode levar a morte.

Vacinar o seu cachorro é fundamental para proteger a sua saúde também! Cães podem transmitir a doença para os humanos. Veja mais sobre o que esta doença pode causar e como prevenir esta enfermidade potencialmente letal

 A Leptospirose é considerada uma doença de distribuição mundial: ocorre tanto em países de clima frio ou quente.  Isso de deve ao fato das bactérias causadoras desta doença possuirem a capacidade de crescer em locais  úmidos e repletos de matéria orgânica, como nos esgotos e pântanos. Nestes locais, animais podem ser contaminados e tornam portadores.

Os ratos levam a fama de ‘vilão’, mas esta doença pode ocorrer em praticamente qualquer mamífero. Bactérias deste tipo são capazes de colonizar  órgãos como os rins de animais como bois, cavalos, ratos, cachorros, ferrets e, de forma mais rara, até mesmo os gatos.

A forma comum de transmissão e contaminação pelas bactérias causadoras da Leptospirose ocorre  através do contato da pele que tenha algum tipo de corte (mesmo que mínimo) com a água contaminada  pela urina de animais portadores. Mordidas de rato não transmitem a Leptospirose.

 Sintomas da Leptospirose em cães

Diversos sintomas são observados neste tipo de infecção:  se notar qualquer uma das alterações descritas abaixo, procure imediatamente por atendimento veterinário para o seu cão

Perda de apetite;
desidratação;
vômitos;
diarréia;
febre;
mucosas, como a gengiva dos cãos podem ficar com uma coloração amarelada.

Neste tipo de infecção, cães podem padecer devido a hepatite e insuficiência renal. Alguns indícios da ocorrência desta doença podem aparentemente serem confundidos com outras doenças, como por exemplo: cadelas fêmeas podem abortar seus filhotes caso adquiram a doença durante a prenhez.

Atenção especial quando seu cachorro que têm acesso constante a locais úmidos e alagadiços! Após o contato com o agente causador da doença, a doença pode demorar entre 5 a 6 dias para a sua manifestação dos primeiros sintomas, mas existem relatos de períodos de incubação de até um mês.

Muitos cachorros podem adoecer com a Leptospirose e recuperarem-se sozinhos, criando assim anticorpos contra doença. O problema é que muitos destes animais contaminados continuam portadores da bactéria, que tem a especial ‘habilidade’ de crescer e colonizar os rins. Estas são eliminadas através da urina, mantendo assim o ciclo da Leptospirose em um ambiente.

Diagnóstico e tratamento da Leptospirose canina

Em caso de suspeita deste tipo de doença, o médico veterinário precisa de exames laboratoriais para ter um diagnóstico preciso da doença

Exames de sangue e de urina são fundamentais para o médico veterinário realizar o diagnóstico corretamente e diferenciar de outras enfermidades, como as hemoparasitoses  que podem causar sintomas semelhantes e detectar quando possível a presença da bactéria.

No tratamento desta doença são empregados antibióticos específicos para literalmente matar as bactérias organismo e ainda pode ser fornecido suporte para controle dos sintomas até a completa recuperação do animal, que deixa de ser portador da doença.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *